Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes.

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes.

Que Plano para a Capacitação Digital dos Docentes?

4 sugestões alinhadas com as recomendações da UNESCO e da OCDE

Setembro 26, 2020

A resolução do Conselho de Ministros nº 30/2020 aprova o Plano de Ação para a Transição Digital, "em alinhamento com os objetivos políticos que irão nortear os investimentos da União Europeia no período de programação 2021-2027, de acordo com o Novo Quadro da Política de Coesão." (págª 6)

O Plano de Ação para a Transição Digital está organizado em três pilares e a Capacitação Digital de Docentes integra o 1º pilar, Capacitação e inclusão digital das pessoas.

quino-al-RkDAbNitt64-unsplash.jpg

 

No âmbito deste Plano, está prevista a formação de todos os docentes das escolas públicas, pretendendo-se a "aquisição das competências necessárias ao ensino neste novo contexto digital." (págª 15)

Espera-se que esta medida contribua "ativamente para a modernização tecnológica das escolas, aproximando os alunos das ferramentas de produtividade e colaboração que podem encontrar num ambiente de trabalho profissional." (págª 15)

Estas intenções estão em linha com as recomendações/ ideias/ cenários de organismos internacionais como a UNESCO e a OCDE e devem consusbstanciar-se num plano de capacitação digital dos docentes que deve ter em conta quatro aspetos principais.

1. Ouvir os atores educativos, tirando partido da experiência e saber dos professores

 

Este Plano prevê três interlocutores:

Os formadores

Dado o perfil apresentado, seria de todo aconselhável que a formação não fosse pré-formatada ou pré-definida unilateralmente, pois a experiência destes profissionais certamente trará contributos fundamentais para o desenho da formação que vai ser implementada a nível nacional.

Os Centros de Formação de Associação de Escolas

Responsáveis pela organização da formação, para todos os docentes da sua zona de intervenção, têm ao seu dispor um Embaixador PTD que deverá ser a ponte entre as necessidades reais de cada Agrupamento, pelo que o seu papel se reveste de extrema importância. Mais do que selecionar profissionais com base em critérios como o grau de proximidade com a comunidade educativa, ou a disponibilidade de horário, importa escolher o Embaixador que melhor responda ao desafio que este Plano encerra.

Os Agrupamentos/ Professores

A realidade de cada Agrupamento implica um conhecimento que só os atores que o integram detêm. Nesse sentido, o papel primordial dos professores deverá ser reconhecido e estes deverão participar no desenho dos Plano de Ação do Agrupamento. 

 

2. Disponibilizar e fomentar a criação e partilha de recursos educativos abertos (REA)

 

Uma vez assegurado o acesso a computadores e à internet, os recursos educativos abertos podem cumprir o seu papel de fomentar a criação, recriação e partilha de recursos educativos, criados por e para professores, evitando-se, desta forma, o monopólio de empresas privadas, como alerta a UNESCO. 

"O acesso aberto e a disseminação da produção intelectual das organizações educativas será a marca distintiva num mercado cada vez mais competitivo, como é o da educação." (in Biblio Tubers, dezembro de 2019)

 

3. Refletir sobre a urgência da aprendizagem ao longo da vida assente na produção e circulação livre do conhecimento

 

Este Plano demonstra que a aprendizagem ao longo da vida se deve constituir como um desígnio nacional, pelo que todas as formas de educação -formal, não formal e informal- são fundamentais para dotar os cidadãos dos conhecimentos necessários para uma cidadania ativa e plena.

Desejavelmente, neste Plano de capacitação, mais do que mostrar caminhos pré-definidos, importa levar os docentes a selecionar, analisar, filtrar, organizar, utilizar e partilhar conteúdos relevantes.

 

4. Encarar as ferramentas digitais como meios que só ganham sentido quando servem o fim educativo

 

O Plano deve assegurar que, apesar de se pretender a capacitação digital dos docentes, as ferramentas digitais não devem, por si, ser objeto da formação. Cada docente deve ser levado a escolher os recursos digitais que melhor se adequem ao seu perfil e ao dos seus alunos. Só assim, de forma autónoma, preparará os seus alunos, para também eles aprenderem ao longo da vida, replicando um ciclo que, infelizmente, ainda não é prática corrente nas nossas escolas.

 

Terminamos com uma referência à UNESCO que apela para a necessidade de valorizar a profissão docente e a colaboração entre professores, o que remete para a importância da criação de Redes de Aprendizagem autossustentáveis que se alimentem da partilha entre estes profissionais.

Que este Plano de Capacitação para os Docentes promova uma Escola inovadora, resiliente e sobretudo transformadora.

 

Para saber mais:

 

Bibliografia

OCDE (2020). Back to the Future of Education: Four OECD Scenarios for Schooling | Retrieved 26 September 2020, from https://www.oecd.org/education/back-to-the-future-s-of-education-178ef527-en.htm

UNESCO (2020). Education in a post-COVID world: Nine ideas for public action. Retrieved 26 September 2020, from https://en.unesco.org/news/education-post-covid-world-nine-ideas-public-action

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twitter

Facebook