Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes.

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes.

O programa de mentorias no Agrupamento, descomplicado

Plano e exemplos de documentos de apoio

Setembro 06, 2020

Os programas de mentoria têm vindo a ganhar popularidade ao longo dos últimos anos, quer a nível académico, quer a nível profissional.

A nível académico, para além dos benefícios ao nível da motivação, estes programas permitem o acompanhamento dos estudantes, com ganhos significativos ao nível do seu desempenho e da sua integração na vida da escola.

1.jpeg

 

De acordo com as Orientações do Ministério da Educação, o programa de mentorias visa estimular o relacionamento interpessoal e a cooperação entre alunos. "Este programa identifica os alunos que, em cada escola, se disponibilizam para apoiar os seus pares acompanhando-os, designadamente, no desenvolvimento das aprendizagens, esclarecimento de dúvidas, na integração escolar, na preparação para os momentos de avaliação e em outras atividades conducentes à melhoria dos resultados escolares."

Em linhas gerais, um programa de mentoria procura que o mentor guie e aconselhe um mentorando, num ambiente de interajuda e através da realização de encontros regulares. É fundamental que a relação entre mentor e mentorando seja de confiança e respeito.

Os objetivos específicos a definir para um programa de mentoria variam de aluno para aluno, mas, normalmente, centram-se nas seguintes áreas de atuação:

  • motivação
  • rendimento escolar
  • relações interpessoais
  • comportamento
  • autoestima

 

Sugerem-se alguns passos para a criação de um programa deste tipo.

De realçar que este programa pode ser implementado presencialmente, a distância ou em regime misto/ híbrido. Para isso, dever-se-á criar uma área de mentorias na plataforma LMS do Agrupamento. Sugere-se que todos os documento sejam criados e utilizados em suporte digital para facilitar a monitorização de todo o processo.

 

1º Seleção de mentores

Os critérios para esta seleção são definidos por cada agrupamento de escola. Não obstante, esta seleção pode ser feita a partir de:

Nota: Para fazer face a um eventual número elevado de alunos inscritos no programa, poderá ser interessante criar uma bolsa de mentores diversificada, que dê resposta a diferentes necessidades.

 

2º Formação de mentores

Esta formação deve ser realizada no início do programa e visa, sobretudo, fornecer alguns conselhos aos mentores, uniformizando as estratégias de atuação.

Uma vez que os mentores são alunos, esta formação deve ser clara e concisa. Não invalida o acompanhamento regular por parte dos responsáveis pelo programa de mentorias, assegurando-se desta forma a adequação permanente e a resposta atempada a problemas que possam ocorrer.

 

Os temas a abordar poderão ser os seguintes. A título de exemplo, disponibilizam-se propostas de apresentação destes tópicos, que devem ser enriquecidas e adaptadas por cada escola.

a) Qual é o papel de um mentor?

b) Que procedimentos seguir durante as sessões?

c) Que atividades posso realizar nas sessões?

Este último item poderá ser diferente de mentor para mentor, tendo em conta as suas competências e o tipo de ação que vai desenvolver com o mentorando.

É fundamental que as sessões decorram num local onde haja um responsável a quem os alunos possam recorrer em caso de necessidade.

 

3º Criação do kit do mentor

Deverá ser criado um kit (conjunto de documentos em suporte digital ou físico) do mentor que deverá incluir:

  • Apresentação breve do mentorando e das áreas em que necessita de apoio;
  • Os objetivos da mentoria (simples e exequíveis) - estes objetivos deverão ser definidos em conjunto com o mentor e, se possível, o mentorando;
  • Cronograma das sessões;
  • Diário da mentoria - espécie de sumário do trabalho realizado em cada sessão. Deverá incluir um item para a avaliação.

Se possível, poderão ser incluídas no kit algumas propostas de trabalho, tendo em conta a área de atuação, que ajudarão o mentor nas sessões iniciais até conhecer melhor o colega.

Estes documentos poderão ser disponibilizados em formato digital para assegurar a facilidade de utilização, atualização e consulta, por parte da equipa e do diretor de turma dos alunos envolvidos.

 

4º Criação dos pares (mentor/mentorando)

O critério principal para a atribuição de um mentor a um mentorando deve ser pedagógico, isto é, o perfil do mentor deve adequar-se às necessidades do mentorando. Deve ter-se também em conta a compatibilidade de personalidades. 

Posteriormente, é fundamental ter em conta a disponibilidade de horários de um e de outro de forma assegurar-se a regularidade e continuidade das sessões.

 

5º Monitorização e avaliação

A equipa responsável pelo programa de mentorias deve acompanhar a par e passo os alunos mentores, devendo ajudá-los a:

  • Planificar as sessões iniciais para se assegurar de que o aluno se sente preparado para o trabalho a realizar, quer a nível emocional quer nas atividades a dinamizar com o mentorando;
  • Avaliar o trabalho realizado, introduzindo ajustes nas propostas de trabalho sugeridas pelo mentor, se necessário.

Pelo menos uma vez por período, a equipa responsável pelo programa deverá dinamizar uma sessão de acompanhamento, em que os alunos mentores apresentem:

  • conquistas
  • dificuldades
  • problemas/obstáculos

Em conjunto, podem surgir estratégias que poderão ajudar a melhorar desempenhos. Para além disso, é fundamental que se vá fazendo o acompanhamento de todo o programa para se introduzirem reajustes, quer ao nível dos pares criados (mentor/ mentorando), quer das estratégias implementadas.

***

Disponibiliza-se aqui o conjunto de documentos (REA) que facilitam a construção de todo o programa de mentoria num agrupamento ou numa escola não agrupada. Podem ser usados e, se assim se entender, alterados, livremente. Pede-se tão somente que se respeite a licença CC aplicada. Os formatos usados são .pdf, docx, e pptx porque usados em todas as escolas.

- Exemplo de uma ficha de candidatura espontânea do aluno;

- Exemplo de um diário de mentoria;

- Apresentação "O papel de um mentor";

- Apresentação "Procedimentos a seguir durante as sessões";

- Apresentação "Atividades a realizar nas sessões".

***

Para citar este artigo ou utlizar os documentos:

Bibliotubers (2020). O programa de mentorias no Agrupamento. From https://bibliotubers.com/o-programa-de-mentoria-no-agrupamento-35740

 

Bibliografia de apoio:

Guide d´implantation d´un programme de mentorat en milieu scolaire (2020). Retrieved 6 September 2020, from https://www.ctreq.qc.ca/wp-content/uploads/2014/09/Guide-Mentorat.pdf

Programme de mentorat au secondaire (2020). Retrieved 6 September 2020, from https://albertamentors.ca/wp-content/uploads/2013/10/mentorat_manuel.pdf

Partnering for Success - A Resource Handbook for Mentors (2020). Retrieved 6 September 2020, from http://www.edu.gov.on.ca/eng/teacher/NTIPMentor.pdf

A GUIDE FOR IMPLEMENTING PERSONALIZED STUDENT LEARNING PLAN (PSLP) PROGRAMS (2014). Retrieved 6 September 2020, from https://www.state.nj.us/education/cte/pslp/PSLPGuide.pdf

The mentor toolkit - 110 mentoring activities (2020). Retrieved 6 September 2020, from https://www.irscfoundation.org/uploads/files/Mentor_Toolkit.pdf

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Orientações do ME para o ano letivo 2020/2021 | O papel das tutorias e mentorias

A centralidade do trabalho colaborativo

Julho 08, 2020

Guardar em PDF

tadeusz-lakota-pnlTopkZ0dU-unsplash.jpg

Photo by Tadeusz Lakota on Unsplash

 

As orientações emanadas do  Ministério da Educação, no passado dia 3 de julho, relativas à organização do ano letivo 2020/2021 apontam para a implementação de planos capazes de fazer face aos diversos cenários que possam vir a ocorrer, face à pandemia da doença Covid-19.

Estes cenários implicam a criação de documentos orientadores que devem ter em conta os seguintes regimes:

 

1. Presencial - Apesar de alunos e docentes estarem fisicamente no mesmo local, devem ser criadas atividades mobilizadoras do trabalho autónomo dos estudantes, preferencialmente com recurso às plataformas LMS já utilizadas em plena pandemia.

As práticas pedagógicas em regime presencial deverão contemplar a criação de grupos de trabalho, organizados de acordo com objetivos pedagógicos ou necessidades educativas dos alunos. Desta forma, o professor promove a autonomia dos estudantes, acompanhando os que mais necessitam.

O modelo de sala de aula invertida adequa-se a esta mudança de práticas e a biblioteca escolar poderá contribuir com recursos, atividades e conteúdos.

 

2. Misto - Este modelo combina atividades presenciais com sessões síncronas e trabalho autónomo.

As propostas deixadas no artigo "De que se fala quando se fala de Ensino Híbrido?" apontam caminhos para uma efetiva implementação do regime misto, que implica, por parte dos docentes, uma integração do digital em contexto educativo (a este propósito veja-se o artigo Ideias para um modelo híbrido de ensino).

 

3. Não presencial - O processo de ensino e aprendizagem ocorre em ambiente virtual, com separação física entre docentes e estudantes.

A experiência do ensino a distância no ano letivo 2019/ 2020 deve ser o ponto de partida para este regime, o que implica avaliar. Esta avaliação deve centrar-se no processo, para assim permitir uma mudança efetiva e tão necessária:

  • Que práticas foram implementadas e que mudanças provocaram?
  • Destas práticas quais se devem manter?
  • Como foi a a interação com os diferentes atores educativos? E qual o seu feedback?
  • A infraestrutura tecnológica foi suficiente?
  • As aprendizagens foram avaliadas? Como? Com que resultados?
  • ...

Para isso, cada escola deve criar planos de ação concretos, simples e exequíveis, onde se defina claramente o tempo, a comunicação e a tecnologia. [Consulte o artigo Ensino remoto OU Ensino online?]

O professor é incontornável na mudança de práticas que estes planos de ação exigem, não só pela experiência adquirida através dos últimos meses, mas sobretudo porque é o profissional mais qualificado.

A plataforma Impuls educació aponta dez aspetos a ter em conta no próximo ano letivo:

  1. Preparar-se, definindo protocolos de segurança.
  2. Aprender com a experiência, refletindo sobre o que funcionou bem e o que é preciso melhorar.
  3. Promover uma liderança partilhada, de forma a assegurar o compromisso de todos os profissionais, tirando partido do potencial de cada um.
  4. Implementar um sistema de comunicação eficaz que faça chegar a informação necessária e de forma atempada a todos os elementos da comunidade eucativa.
  5. Avaliar necessidades para assegurar a equidade e evitar o aumento das diferenças entre os estudantes.
  6. Manter um modelo de ensino misto, que facilita uma nova normalidade, contribui de forma significativa para a melhoria da qualidade educativa e prepara as escolas para a incerteza do futuro.
  7. Assegurar o desenvolvimento profissional dos docentes, fomentando a inovação educativa, com recurso ao digital.
  8. Diversificar metodologias e avaliação, com destaque para as metodologias ativas e estratégias de avaliação formativa.
  9. Desenvolver um currículo por competências, capaz de promover a aprendizagem ao longo da vida e a autonomia. 
  10. Inovar, nos canais, nos recursos e no tempo, criando uma verdadeira cultura de inovação.

 

Nesse sentido e, face à provável instabilidade do próximo ano letivo, o trabalho colaborativo entre docentes é fundamental para a planificação, implementação e monitorização destes planos de ação. A criação e/ou disponibilização de conteúdos digitais deve ser feita com base em critérios de qualidade, adequação e facilidade de utilização, pelo que a curadoria de conteúdos deve ser uma prática a disseminar.

Uma das respostas que o Ministério da Educação encontrou para assegurar uma aprendizagem o mais personalizada possível foi a implementação de programas de  tutoria e mentoria, para assegurar a promoção, acompanhamento, consolidação e recuperação das aprendizagens

"O modo de funcionamento das tutorias é definido pela escola, sendo o acompanhamento dos alunos realizado pelo professor tutor, em estreita ligação com o respetivo conselho de turma, em articulação com o programa de mentorias."

O programa de mentorias visa estimular o relacionamento interpessoal e a cooperação entre alunos. "Este programa identifica os alunos que, em cada escola, se disponibilizam para apoiar os seus pares acompanhando-os, designadamente, no desenvolvimento das aprendizagens, esclarecimento de dúvidas, na integração escolar, na preparação para os momentos de avaliação e em outras atividades conducentes à melhoria dos resultados escolares."

O Biblio Tubers disponibiliza um post sobre estes programas:

Programa de tutorias

Estes programas terão uma vertente presencial e online para melhor se adequarem a cada um dos três regimes previstos para o próximo ano letivo.

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twitter

Facebook