Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblio Tubers

Biblio Tubers

Aprender nos Media | Uma proposta para a área da cidadania, o português e a biblioteca escolar

Outubro 05, 2019

mil.JPG

Clique na imagem para a ver maior.

O Biblio Tubers inicia com este post uma área dedicada à utilização de recursos improváveis em contexto educativo com um artigo de Henrique Pinto de Mesquita, intitulado "Perdeu-se o gosto pelo belo?".

Oiça o podcast para conhecer a proposta de exploração desta crónica e para completar a informação do nosso infográfico.

Pode também ler o artigo aqui:

Perdeu-se o gosto pelo belo?

Falta-nos cultura. A maior parte de nós é inculto e não procura colmatar isso. Na maioria dos casos não tem a ver com provir de certo estrato social, antes pela nossa preguiça e vício pelo prazer raso

Nasci em 1997. Faço parte do que se adora encapsular como “juventude portuguesa”. Inexoravelmente faço parte dela, pois os censos – esse tentáculo Jeová do Estado – também chegaram lá a casa. Na teoria, sou outro desses jovens millennials que faz parte da “geração mais informada de sempre” (vómitos). Considerando esta minha natureza cronológica, certo é que hei de ter opinião sobre absolutamente tudo. Sou muitíssimo bem preparado pela minha universidade (gargalhada). Sou avesso à política, mas procuro imenso mudar isso (através de mais horas de scroll no Instagram). Adoro música (que não convém ter mais de 4 sílabas por verso).

Perdoem-me meus queridos contemporâneos geracionais, mas não sou o descrito. Nasci deficiente. Tenho défice de amor por vós. Em contrapartida, a vergonha abunda. Desculpem lá a maçada – a esta altura já devem estar cansados por terem lido 10 linhas –, mas tenho uma certa desconsideração pela maior parte de vós. Quão triste é um miúdo de 22 anos não achar que está na crista na onda e ter absoluta aversão à sua geração? Algo. Convém explicar o porquê.

Falta-nos cultura. A maior parte de nós é inculto e não procura colmatar isso. Na maior parte dos casos não tem a ver com a questão de provir de determinado estrato social e, por isso, não ter acesso à cultura. Justifica-se pela nossa preguiça e vício pelo prazer raso. Tudo deve ser rápido, prático e efemeramente sumarento – McPleasure. Notem que há uma enorme alienação da procura pelo belo. Ninguém tem paciência. Ninguém tem 30 segundos para interpretar um quadro. Não há 8 minutos para docemente dissecar uma música. Não há tempo para ler um livro porque – vejam lá – são demasiadas páginas… é ao contrário caramba!

Os que estão a sentir o carapuço a aquecer (que desde já agradeço o árduo esforço de chegarem a esta parte da crónica) amparam-se a si mesmos, convencendo-se que isso se deve à sua falta de tempo. Não é verdade. Há tempo. Todavia, esse tempo é infrutuosamente gasto a ver e a fazer coisas vazias e estéreis. O que nos preenche ouvir uma música que apenas faz apologia a dinheiro e carros?  O que nos interessa saber se uma Kardashian foi fazer compras à Galleria Vittorio Emanuele? Então malta, essa carola não dá para mais? Não me perdoem, mas se se sentem visados nestes exemplos, temo em informar que são exatamente vocês a quem me refiro quando digo que estão a estragar a imagem da nossa geração. É por vocês que tenho défice de amor e vergonha pronta a exportar. (Não que não vos ame, mas amo-vos poucochinho).

Não quero, com isto, parecer o mais rigoroso pseudo intelectual que defende que devemos passar as nossas manhãs em Serralves, as tardes na Biblioteca Nacional e as noites em concertos de Ópera (se bem que até parece um dia giro). Com certeza que não. Façam o que vos apetecer e vos saiba bem. Ver coisas extremamente estúpidas na internet é das coisas que me dá mais prazer. Tenham, contudo, consciência. Saibam distinguir o que “sabe bem porque é bom e denso” do que “sabe bem porque me distrai”. Nem tudo deve ser pesado: nem erudições em excesso nem esterilidades a gastar – equilíbrio, em tudo, sempre.

 

Porque não exploram o vosso espaço contemplativo ao invés de correrem atrás dos prazeres como cães atrás de um osso? Uma vez que o conseguem, deixam-no cair porque já não satisfaz. E vão em busca de outro. Isto em loop. Uma vida inteira.

Queridos parceiros cronológicos, parem de me envergonhar perante os censos e comportem-se como humanos. O que interessa ouvir uma música cuja única referência é o sexo? Já todos sabemos o que é o sexo, mas conhecemos as histórias de amor cantadas pelo Vinícius e o Jobim? Não. E isso é o que se leva de termos nascido na condição humana. É o sentimento, a paixão, o cordel que se vai delicadamente desenrolando. A beleza está aí: no ato de desenrolar vagarosamente e tirar prazer disso. Sentir a vida em mais um gole na cerveja lamuriosa. O que poderá interessar o novelo já desenrolado se é irremediavelmente igual? Dois mais dois serão sempre quatro. Não estarão fartos do prazer atrás do prazer em busca do prazer que se encontra num novo prazer? Serão ratos num labirinto?

Respirem. Iluminem-se. Dêem-se ao luxo de observar, pensar, ler. De sentir as entranhas gélidas a ouvir outra canção de amor. Contemplem. É para isso que cá estão, de outra forma teriam nascido cães.

Experimentem. Verão que este prazer não é estéril e aguentará mais do que os quinze minutos do costume.

 

Referência: Mesquita, H. (2019). Perdeu-se o gosto pelo belo? – ObservadorObservador.pt. Retrieved 5 October 2019, from https://observador.pt/opiniao/perdeu-se-o-gosto-pelo-belo/

 

 

"Cite this for me", para citar páginas Web com um clique

Extensão de navegador

Outubro 04, 2019

cite.png

Esta extensão, para Google Chrome é útil para citar páginas web, pois faz a sua função de forma automática, com apenas um clique no botão  “Cite This For Me: Web Citer” na barra de extensões do navegador. Reconhece automaticamente as etiquetas de autor, títulos, data e o URL. O que fica por fazer é copiar e colar a citação.

Esta é uma ferramenta útil para os alunos se habituarem a citar as fontes, em linha, que usam nos trabalhos académicos. O administrador da rede da escola pode, facilmente, instalá-la nos computadores da biblioteca escolar equipados com o navegador Chrome. Pode ainda servir como pretexto para se falar da importância da citação e para se determinar, de forma efetiva, a norma a seguir na escola/ agrupamento. 

Literacia mediática: Uma competência essencial na sociedade atual

O papel das bibliotecas escolares

Outubro 03, 2019

A literacia mediática, a rede de aprendizagem e a curadoria de conteúdos estão intimamente ligadas. São competências essenciais do professor e de qualquer profissional do século XXI que se quer manter atualizado, num mundo em mudança acelerada.

Se um professor não tem a capacidade de se autoformar, de aprender, quem a terá?

Hoje mais importante do que aquilo que se sabe quando se tira uma licenciatura ou qualquer outro título académico é a capacidade de continuar a aprender. Esta é uma exigência da sociedade atual.

É, por isso, fundamental que os professores sejam capazes de se autoformar ao longo da vida, só assim podem formar alunos com essa mesma capacidade.

A Escola deve ensinar com os Media e para os Media, com a Web. Ou não aprendessemos nós 70%  do que sabemos em redes informais. A missão da Escola mantém-se e reforça-se: transformar a informação em conhecimento. É uma oportunidade para aproximar os alunos da escola, e esta da sociedade, favorecendo aquele que deve ser o novo papel do professor.

O professor já só está sozinho na sala de aula se quiser.

É o tempo da biblioteca escolar sair de portas, alargar o seu âmbito e entrar na sala de aula, assumindo-se como o centro difusor do saber na Escola e na comunidade educativa. Desta forma promoverá uma cultura do saber na Escola. Como fazê-lo?

Estas foram algumas das ideias apresentadas e desenvolvidas nesta comunicação.

Literacia mediática: uma competência básica na sociedade atual

Apresentação feita no dia 24 de novembrode 2018, no 11º Encontro de Bibliotecas de Famalicão.

Pegada Digital

Os algoritmos e a importância dos dados

Setembro 29, 2019

Vivemos na era dos ecrãs. Vivemos ligados. Os nossos dados, a nossa vida, estão espalhados e acessíveis na Rede. Com que implicações? Quem os gere? Como os usamos em nosso benefício? Para entendermos esta problemática em toda a sua extensão, aborda-se a importância dos dados (uma revolução em curso que vai alterar a nossa forma de viver, trabalhar e pensar), os algoritmos e a importância crescente da reputação, nas nossas vidas.

Nesta apresentação mostra-se como construir e gerir a nossa identidade digital de forma a controlarmos a nossa pegada digital.

My Page

Apresentação feita no "I Encontro das Bibliotecas Escolares no Concelho de Palmela", em 23 de março de 2019.

 

Flexibilizar o currículo: Qual o papel das Bibliotecas Escolares?

Um desafio para a Escola e para os Professores

Setembro 29, 2019

Os planos de autonomia e flexibilidade curricular valorizam o papel da Escola na construção de novos perfis e novas competências dos alunos. Nesse sentido os documentos orientadores de cada escola devem focar-se não só na vertente organizacional, mas também na vertente do aprender e do ensinar. Só assim se melhorará a qualidade das aprendizagens.

Nesta apresentação, são apresentadas as diferentes áreas da flexibilidade curricular e são apontadas pistas para um trabalho de verdadeira articulação com a Biblioteca Escolar.

FLEXIBILIZAR O CURRÍCULO: qual o papel das BIBLIOTECAS ESCOLARES?

Apresentação feita nos Colóquios da Neve, na Covilhã, em 23 de novembro de 2018.

Inovar com a Biblioteca Escolar

Novas formas de ensinar e de aprender

Setembro 29, 2019

Os novos desafios lançados plea autonomia e flexibilidade curricular são, de facto, oportunidades para inovar e a biblioteca escolar é, por excelência, um local de inovação. Nesse sentido, são apresentadas algumas pistas para que os professores possam contar com o apoio fundamental da Biblioteca, no exercício efetivo da autonomia curricular, implementando novas formas de organizar o espaço e o tempo.

Inovar com a Biblioteca Escolar

Apresentação feita no lançamento do ano letivo no Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha, em 5 de setembro de 2019.

Educar com e para os Media

Recursos improváveis

Setembro 29, 2019

O impacto que os Media têm na nossa sociedade cria novas oportunidades, mas também pode ser causador de constrangimentos, nomeadamente no que diz respeito à análise crítica daquilo que é publicado. A Educação para os Media é por isso fundamental, pois promove o sentido crítico e a apologia da verdade, dos valores e da ética.

Nesta apresentação, dividida em duas partes, reflete-se sobre os Media em contexto educativo e são dados exemplo de recursos, quase sempre improváveis.

Parte 1

MILD

Parte 2

My Page

Apresentação feita no âmbito do lançamento do projeto MILD, em Vila Real, Braga, Porto, Lisboa, Viseu, Coimbra, Castelo Branco, Évora e Faro, em janeiro e fevereiro de 2019.

Curadoria Digital

Uma competência do professor de hoje

Setembro 29, 2019

Face à quantidade massiva de informação publicada diariamente na Internet, torna-se fundamental saber encontrar conteúdos relevantes. É neste contexto que a Curadoria Digital é incontornável - isto é, o processo de selecionar, analisar, filtrar, organizar e partilhar informação relevante.

Nesta apresentação, para além da explicitação do conceito, são referidas algumas estratégias e dados exemplos de ferramentas digitais que podemos usar em cada uma das fases do processo de Curadoria.

Curadoria Digital

Apresentação feita no Laboratório de Tecnologia Educativa (LABTE) da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, em 29 de março de 2019.

Internet das Coisas

Contributos para a Educação

Setembro 29, 2019

A Internet das Coisas, em inglês IoT - Internet of Things - , faz parte do nosso dia a dia, mesmo sem darmos conta, em casa, no trabalho e até no nosso carro. Basta estarmos ligados à Internet. Tudo pode ser ligado e integrado.

Nesta apresentação, para além da explicação do que é a Internet das Coisas e da sua diferença em relação à Inteligência Artificial, em inglês AI - Artificial Intelligence - é apresentada a sua utilização em contexto educativo.

Internet das Coisas

Apresentação feita em Figueira de Castelo Rodrigo no Encontro de Educação, "A par e passo, todos juntos vamos construir o futuro", em 8 de junho de 2019.

Oiça a apresentação, do dia 8, aqui:

5 Dicas para escolher o melhor formato no âmbito da leitura digital

Setembro 29, 2019

leituras.JPG

Neste artigo são apresentadas 5 pistas que nos ajudam a escolher o melhor formato de leitura digital, com base em recomendações e boas práticas.

5 tips que te ayudarán a elegir el mejor formato de lectura digital

Si te has preguntado cómo elegir el mejor formato de lectura digital que se adapte no solo a todas las necesidades de inclusión sino también a todos los gustos,,, estos 5 tips son para tí:

TIP 1: Para todo el público lector

Se recomienda que el material a leer esté elaborado según las buenas prácticas de:

  • Lectura Fácil, con excepción de los textos literarios (comprensibles por todas las personas)
  • Accesibilidad digital (disponibles para todas las personas más allá de sus características y contextos)
  • Experiencia de Usuario (además de accesibles, que se correspondan con los propósitos, gustos y hábitos del público lector)

TIP 2: Para todo el público lector

  • Se aconseja brindar el material en un formato líquido, como el ePUB, para que pueda ser leído en todo tamaño de pantallas y dispositivos

TIP 3: Para aquellas personas que aman el formato impreso

  • Obviamente, lo mejor es ofrecer el material impreso o en su defecto, en formato PDF para que lo puedan imprimir fácilmente

TIP 4: Para aquellas personas que presentan disminución visual permanente o transitoria

  • Brindar la lectura en formato ePUB (les permitirá aumentar el tamaño de la letra, modificar el espaciado, cambiar el contraste texto-fondo). También, si poseen la app apropiada, podrán convertir el texto sin dificultad al formato de audiotexto.

TIP 5: Para las personas que personas que presentan ceguera

Aquí hay dos opciones posibles de formato:

  • Formato ePUB (por medio de la app adecuada, podrán convertir el texto sin dificultad al formato de audiotexto)
  • Formato PDF accesible (les permitirá una conversión texto a voz eficiente y amigable)

 

Article title:5 tips que te ayudarán a elegir el mejor formato de lectura digital
Website title:Información y Tecnologías
URL:https://informacionytic.com/2019/09/27/5-tips-que-te-ayudaran-a-elegir-el-mejor-formato-de-lectura-digital/

 

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D