Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes.

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes.

Um superpoder | a leitura

Texto, à flor da pele, de Joana M. Lopes | Concurso Nacional de Leitura | Abrantes a Ler

Março 02, 2020

A partir da comunicação feita pela escritora Joana M. Lopes, na entrega de prémios da fase Municipal do Concurso Nacional de Leitura, em Abrantes, os Biblio Tubers propõem uma abordagem que, explorando sentidos e emoções, forme e esclareça educadores, pais e filhos. 

O texto é expressivo e proferido com sentimento. Um texto que emociona e inspira.

superpoderes.png

Clicar na imagem para a ver maior.

Um superpoder

Hoje sinto-me feliz, alegro-me sempre que encontro alguém que lê e isso acontece porque um escritor só existe quando os seus livros são lidos. Relativamente aos livros, podemos dizer que os há para todos os gostos: de receitas, de poesia, de factos reais ou nem tanto, de princesas, cavaleiros, de fadas ou vilões. Há também muitos livros povoados de heróis e às vezes, quando a realidade supera a ficção, há heróis que passam a morar na nossa vida. Eu tenho um grande herói na minha, foi a pessoa que me ensinou a usar o meu superpoder, a imaginação.

Esse grande herói é o meu pai. O meu pai não é o melhor do mundo, é igual a todos os pais que com o passar dos anos vão ganhando barriga e perdendo cabelos, o meu pai ressona, é distraído, está sempre a perder os óculos e as chaves do carro, tem dias que está cansado e que lhe doem os calos. O meu pai está longe do arquétipo do super-homem, não usa capa, nem meias de licra (facto que eu agradeço, pois creio que não o favoreceria). Apesar de andar sem capa e vestir roupas perfeitamente banais, o meu pai é o meu herói, é o meu herói desde que sou pequena. Há uma memória de infância em particular que enraíza esta imagem bonita que tenho dele: a recordação de o ouvir contar uma história, a mim e à minha irmã, antes de adormecermos. A narrativa era sempre a mesma “As Aventuras do Coelhinho Jeremias” e era totalmente inventada por ele. Nas noites em que nos presenteava com a sua imaginação, nós tínhamos direito a um episódio da epopeia de um coelho karateca que adorava cenouras e viajava pelo mundo. O coelhinho Jeremias enfrentava frequentemente as hienas que eram sempre as vilãs e vencia-as com a sua agilidade, criatividade e inteligência. Quando recordo esta imagem do meu pai, percebo o quão heróico era o gesto de nos vir aconchegar com esta história antes de entramos no mundo dos sonhos; é que estas memórias remontam ao tempo em que o meu pai acabara de perder a esposa e eu e a minha irmã, a nossa mãe.

familia.png

Apesar da dor que eu sei que sentia, apesar do longo dia de trabalho, apesar do esforço de nos vestir, alimentar, dar banho, o meu pai guardava ainda um pouco da sua energia para nos deslumbrar com aquela história cheia de proezas de um pequeno roedor. Agora, passados muitos anos e com os meus olhos crescidos, percebo que este meu pai-heróico me ensinou, talvez sem saber, através do seu exemplo e da sua narrativa inventada, que a imaginação nos dá poder para resistir às adversidades da realidade.  

 

 

Oiça o texto na voz da autora, Joana M. Lopes:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twitter

Facebook