Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes. Defendemos os recursos abertos e a biblioteca como centro de saber na escola.

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes. Defendemos os recursos abertos e a biblioteca como centro de saber na escola.

Quer ensinar online?

Mude a forma como pensa | Forbes

Abril 03, 2020

digital_divide-1.jpg

A Forbes publicou hoje um artigo interessante sobre a temática que domina a educação por estes dias, o ensino a distância.

Da autoria de Enrique Dans, o artigo intitula-se Want To Teach Online? Change The Way You Think About It, (consultar na íntegra aqui) e reflete sobre o paradoxo que foi criado com a necessidade de fechar as escolas. De facto, apesar de termos a tecnologia disponível para o ensino a distância não estamos preparados - professores, alunos e famílias - para este novo paradigma.

No artigo, apresentam-se os principais motivos pelos quais se torna difícil ensinar e aprender online, a menos que olhemos para esta realidade de forma diferente.

 

1. Literacia digital dos professores

O ensino online exige mais do que uma compreensão ligeira da tecnologia envolvida. De facto, um pequeno obstáculo que facilmente se resolve em contexto de sala de aula pode tornar-se um grande problema, quando temos 20 ou 30 alunos do outro lado do ecrã.

 

2. Envolvimento do professor

Apesar do conhecimento ser um fator importante para o sucesso do ensino a distância, o envolvimento do professor é fundamental. Uma aula online exige mais trabalho e atenção do que uma aula presencial, sobretudo se utilizarmos recursos como fóruns assíncronos ou grupos de mensagens instantâneas, que são recomendadas, mas que exigem mais tempo.

 

aluno.jpeg

3. Literacia digital dos alunos

É recorrente ouvirmos a expressão "nativos digitais", para caracterizar os nossos alunos. Contudo, apesar de dominarem o Instagram e o TikTok, muitas vezes não conseguem realizar tarefas simples como anexar um arquivo a um e-mail ou guardar um ficheiro com um nome diferente.

 

4. O fosso digital

Nem todas as famílias têm computador e/ ou smartphone e a ligação à Internet é, por vezes, muito lenta ou inexistente. Nalguns casos, o acesso à internet faz-se por dados móveis que nem sempre são suficientes para este tipo de ensino. É fundamental que os responsáveis tenham em conta esta realidade que pode ser fonte de desigualdades

 

5. Ferramentas digitais

Para uma aula online ideal, deverá utilizar ferramentas que permitam criar vídeos, partilhar o seu ecrã, fazer videoconferência. Os alunos também devem ter acesso a fóruns onde possam discutir tópicos.

 

6. Metodologia

Uma aula presencial nunca pode ser replicada online. Isto é, numa aula online não se pode ler um texto e esperar que os seus alunos se mantenham atentos. Opte por disponibilizar o texto com antecedência para que os alunos o leiam. Online aproveite o tempo para discutir o texto, responder a questões dos alunos, ou levá-los a fazerem apresentações sobre ele. E, sobretudo, utilize tecnologias interactivas.

 

7. Experiência do aluno

Para além dos conteúdos, os alunos devem aprender a gerir as interações online. Nesse sentido, os professores devem utilizar ferramentas que possam ser facilmente apropriadas pelos alunos e que correspondam às suas expetativas. O professor não deve estar constantemente a utilizar ferramentas novas, pois num ambiente que é novo para os alunos, eles precisam de estruturas e referências claras.

 

8. Avaliação

Diversifique as suas metodologias de avaliação: projetos individuais ou em grupo, avaliação por pares, apresentações online, etc.

 

professor.jpg

O autor, e concordamos com ele, afirma que o ensino online veio para ficar, pelo que é necessário criar as condições para que os alunos possam acompanhar as aulas em casa sem que o processo de aprendizagem sofra prejuízos.

O artigo termina em tom provocatório, que não é mais do que uma chamada de atenção para a necessidade de fazermos "muito mais e muito melhor":

Se pensa que ensinar online é simplesmente ligar a câmara e replicar o que faz em sala de aula, ou mostrar uma apresentação e um documento e, em seguida, dar aos alunos uma ficha de trabalho, está enganado. Não é assim que os nossos alunos aprendem.

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twitter

Facebook