Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes.

Biblio Tubers

Pensamos a escola como sistema aberto, capaz de refletir a sociedade e de responder aos desafios contemporâneos. Acreditamos no poder da partilha e das redes.

Criar atividades interativas com o Socrative

Microlearning | episódio 5

Abril 27, 2020

socrative.png

O Socrative é uma aplicação simples de elaboração de questionários (preparação de testes, quizzes, etc.) que pode ser usada a distância e em sala de aula. Permite obter o feedback em tempo real da aprendizagem do aluno.

Através de um sistema de perguntas e respostas, o professor pode recolher, em tempo real, as respostas dos alunos, avaliando a sua compreensão relativamente aos temas em estudo.

 

O que é o Socrative?

 

Alterar o idioma, ver relatórios e dar código de acesso aos alunos

 

 

Criar testes

 

 

Alterar e lançar testes

 

 

Partilhar testes

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Manual de Apoio à Aprendizagem Flexível durante a Interrupção do Ensino Regular | UNESCO 

ANOTADO by Biblio Tubers

Abril 24, 2020

Aprende-se em rede, partilhando experiências, experimentando, adequando, arriscando...

E a experiência de uns pode ser o ponto de partida para outros, para novos caminhos, mais pensados e refletidos.

Captura de ecrã 2020-04-24, às 14.27.18.png

 

É com esse espírito que o Biblio Tubers apresenta hoje a Experiência Chinesa na Manutenção da Aprendizagem durante o Surto de COVID-19, relatada no Manual de Apoio à Aprendizagem Flexível durante a Interrupção do Ensino Regular, publicado e traduzido com a chancela da UNESCO.

Leia, consulte, reflita e (re)adapte.

Algumas das recomendações que a UNESCO deixa prendem-se com decisões a nível macro (como a questão da infraestrutura da rede ou a cooperação entre empresas, governos e escolas), não esquecendo, contudo, o papel essencial que os professores têm no processo de ensino e de aprendizagem.

O Biblio Tubers preparou uma apresentação com os aspetos que considera mais pertinentes e adequados ao contexto português.

Manual de Apoio à Aprendizagem Flexível durante a Interrupção do Ensino Regular | UNESCO

 

Chamamos a atenção para algumas das dificuldades apontadas neste manual, que servirão, certamente, para uma reflexão por parte da comunidade educativa:

- alguns professores podem ter dificuldade em encontrar recursos online que sejam os mais adequados aos seus contextos de ensino porque existem milhares de recursos publicados online; 

- alguns professores e alunos não possuem as competências digitais apropriadas para ensinar e para aprender online, o que poderá́ criar constrangimentos;

- alguns alunos carecem de competências de aprendizagem cruciais, como a capacidade de adaptação, o estudo autónomo, a autorregulação e a motivação, fatores essenciais para o sucesso da aprendizagem online; 

- alguns professores recorrem apenas a instruções diretas sem considerarem importantes fatores da aprendizagem online, como a interatividade, a presença social e cognitiva, dando origem a experiências de aprendizagem desmotivadoras.

Fica a reflexão.

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Promoção da poesia em ambiente virtual

Proposta 4 | Cântico Negro de José Régio, por Diogo Infante

Abril 17, 2020

image.jpg

Dando continuidade ao Plano de trabalho síncrono em tempo de quarentena, o Biblio Tubers apresenta a quarta proposta, dedicada à poesia, que poderá ser implementada pelos professores bibliotecários, no horário reservado à biblioteca, ou por qualquer professor que queira trabalhar o sentido crítico com os seus alunos.

Esta proposta, à semelhança das restantes, pode ser adequada e destina-se a alunos do 3.º ciclo e do ensino secundário.

Apresenta-se abaixo a proposta de exploração, organizada em quatro momentos:

 

Momento 1

Os alunos visualizam o vídeo em que Diogo Infante declama, de forma muito intensa, o poema "Cântico Negro", de José Régio.

 

Momento 2

O professor,  num chat, num fórum ou por vídeo conferência, pede que os alunos se incluam num de três grupos:

  • Os que gostaram do poema,
  • Os que ficaram indiferentes,
  • Os que não gostaram.

Cada grupo, durante 15 minutos, discute as razões da sua posição e nomeia um porta-voz que as apresentará aos colegas.

 

Momento 3

Os alunos voltam a visualizar o vídeo, acompanhando a declamação com a leitura do poema. Voltam a reunir em novos grupos que serão constituídos por elementos de cada um dos três grupos iniciais.

Nestes novos grupos, serão debatidas as razões pelas quais gostaram ou não do poema, devendo este debate ser acompanhado de tópicos de discussão, que ajudem os alunos a refletir sobre a mensagem do poema.

Uma vez mais, deve ser escolhido um porta-voz de cada grupo.

Sugerem-se alguns tópicos:

  • Utilização do "preto e branco" e a expressividade da linguagem corporal do ator,
  • A importância das frases negativas no poema,
  • A identificação dos obstáculos que o poeta encontra, por oposição às restantes pessoas que têm "estradas",
  • A coexistência de Deus e do Diabo.

estra.jpg

Momento 4

O porta-voz de cada grupo apresenta as suas conclusões e o professor lança, caso necessário, novos tópicos de discussão que levem os alunos a interpretar a mensagem do poema de forma crítica.

 

Sugere-se, a título de exemplo:

Por que me repetis: "vem por aqui"? - O poder do outro sobre nós, a tentativa de manipulação;

Não sei para onde vou - A imprevisibilidade da vida, das relações, da sociedade;

Sei que não vou por aí! - Pensar por si próprio, analisar os dados e a realidade envolvente e tomar decisões fundamentadas.

Estas propostas são apenas sugestões, cabendo a cada professor proceder às alterações que melhor entenda.

 

Reproduz-se aqui o poema na íntegra.

“Cântico Negro”

“Vem por aqui”- dizem-me alguns com olhos doces,
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: “vem por aqui”!
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali…

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
—Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha Mãe.

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos…

Se ao que busco saber nenhum de vós responde,
Por que me repetis: “vem por aqui”?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
a ir por aí…

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas, e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?…
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos…

Ide! tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátrias, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios.
Eu tenho a minha Loucura!
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios…

Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: “vem por aqui”!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou…
Não sei para onde vou,
Não sei para onde vou
—Sei que não vou por aí!

José Régio

 

Conteúdos Relacionados

Partilhe as suas sugestões nos comentários.

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Ensinar e aprender com o Screencastify

Microlearning | episódio 4

Abril 13, 2020

A criação de conteúdos educativos ou de tutoriais, no atual paradigma de ensino a distância, torna-se de extrema importância, para os educadores.

 

screen.png

Nesse sentido, o Biblio Tubers apresenta o seu 4.º episódio de microlearning, dedicado a uma aplicação que permite fazer, de forma fácil e intuitiva, a gravação do ecrã do computador. Permite gravar vídeos que são armazenados automaticamente no Google Drive ou, se preferir, no Youtube.

Esta ferramenta pode ser utilizada para:

  • Criar tutoriais;
  • Mostrar o funcionamento de uma aplicação;
  • Esclarecer dúvidas ou explicar uma ideia;
  • Partilhar informação, ...

Ensinar e aprender com o Screencastify

A apresentação está organizada em três passos:

  1. Instalar a extensão
  2. Iniciar a gravação do ecrã
  3. Aceder às gravações e partilhá-las
Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Ensinar e aprender com o Edmodo

Microlearning | episódio 3

Abril 13, 2020

Na sequência da proposta do Biblio Tubers para a organização do estudo dos alunos, apresenta-se o 3.º episódio de microlearning, dedicado a uma plataforma de gestão de aprendizagem (LMS), o Edmodo.

 

ed.png

Esta plataforma é caracterizada pela facilidade de utilização. assemelhando-se a uma verdadeira rede social.

A sua estrutura facilita a comunicação entre os professores e alunos e permite o acesso aos Encarregados de Educação.

Ensinar e Aprender com EDMODO

A apresentação está organizada em quatro passos:

  1. Criar uma conta de professor
  2. Criar uma turma/ grupo
  3. Convidar alunos
  4. Criar atividades
Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Afinal de que se fala quando se fala de identidade digital?

O conceito aplicado a nível individual e institucional

Abril 08, 2020

id_digital.JPG

 

Entrevista de emprego. Pergunta incontornável: 

Qual é a sua identidade digital? É que na nossa pesquisa não encontrámos nada sobre si. Afinal o que sabe fazer? 

Esta provocação introdutória serve apenas para nos centrarmos naquilo que interessa, quando falamos de identidade digital.

Não! Não é o número de posts que tem nas redes sociais, nem o número de seguidores. Não.

É o testemunho daquilo que sabe fazer profissionalmente, independentemente da sua área. Se não vejamos:

É professor? Qual o blogue ou página web que administra e onde disponibiliza conteúdos para os seus alunos e partilha documentos de interesse e reflexões pessoais sobre assuntos que lhe interessam e que contribuem para se manter atualizado?

É Jornalista? Escritor? Advogado? Arquivista? Bibliotecário? Político? Ativista?

O que partilha e como partilha na rede ajuda-o a construír a sua reputação ou a da entidade que integra.

E a sua rede profissional que públicos alcança? É disto que se fala quando se fala de identidade digital.

Por isso é que, numa entrevista de emprego, os recrutadores se interessam, cada vez mais, pela identidade digital (presença online), pois na resposta está quem somos profissionalmente, como nos atualizamos e como nos relacionamos com os outros.

Em suma, somos a reputação que construímos.

Retomemos a definição proposta por Jorge Borges (2018) para a identidade digital de uma biblioteca escolar para que se adeque a qualquer entidade, individual ou institucional: 

Conjunto de canais (plataformas digitais) geridos e atualizados regularmente para, de forma interessada e organizada, criar, partilhar e atribuir valor a uma multiplicidade de informação, conteúdos, recursos e, eventualmente serviços, na comunidade que serve, favorecendo a aprendizagem ao longo da vida .

 

Vamos decompor a definição nos quatro eixos que a integram.

 

1. Canais

Blogue, página web, página no Facebook, Twitter, Instagram, Snapchat, Youtube, Linkedin, Slideshare, Anchor...

Cada uma destas plataformas serve para disponiblizar conteúdos e recursos variados, em multiformatos, de forma regular.

 

2. Partilha

As plataformas utliizadas devem alimentar-se umas às outras, de forma estruturada, para chegar a um público mais amplo. A melhor forma de o fazer é criar um repositório (por exemplo na Box ou na Dropbox) onde se alojam conteúdos e recursos que, depois de devidamente organizados, são disponibilizados num blogue ou numa página web. 

Por isso, quando se disponibilizam recursos, estes devem ser originais, ou, caso se repliquem, é fundamental acrescentar-lhes valor.

 

3. Comunidade

Num mundo cada vez mais digital, é na rede e com a rede que aprendemos ao longo da vida. Nesse sentido, a comunidade a que pertencemos é tão mais forte quão mais significativo for o contributo de cada um. 

 

4. Aprendizagem ao longo da vida

Todas as áreas do saber estão em constante evolução, pelo que qualquer profissional, ou instituição, para se manter atualizado(a) deve rentabilizar a sua rede de partilha, isto é tirar partido daquilo que é criado na sua comunidade.

 

Para apoiar o processo de implementação da Identidade digital sugerem-se algumas plataformas digitais que dão suporte a este processo:

Identidade digital individual e institucional

 

Nota de rodapé: Todo este processo, nas suas várias fases, é indissociável do processo de curadoria, pelo que sugerimos a consulta do post Curadoria digital.

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Biblioteca Escolar e o Ensino de Emergência a Distância

Boas práticas: o caso do Agrupamento de Escolas de Sardoal

Abril 08, 2020

bi.png

 

Neste momento difícil para as escolas, a Biblioteca Escolar não podia deixar de estar presente, como sempre tem estado, no apoio aos alunos, famílias e docentes, na promoção e desenvolvimento das literacias da leitura, dos media e da informação, de diversas formas, quer no apoio ao currículo, quer no desenvolvimento da autonomia e formação dos vários intervenientes.

Como tal, no Agrupamento de Escolar de Sardoal, a Professora Bibliotecária integrou logo na primeira hora a equipa de apoio à implementação do ensino a distância, procurando as melhores soluções digitais adequadas ao contexto da comunidade escolar do Sardoal.

De seguida, a biblioteca escolar passou a integrar o horário semanal de cada turma, de forma a dar apoio a alunos e encarregados de educação na utilização de ferramentas digitais e realização de trabalhos e ainda propondo atividades de promoção da leitura e do uso dos media com a finalidade de promover multiliteracias.

Estas atividades, bem como a comunicação com a biblioteca escolar, realizam-se através do seu blogue onde cada nível de ensino encontra o seu separador com propostas de leituras, passatempos e atividades de promoção das literacias a desenvolver de forma autónoma ou articulada com docentes a nível curricular.

A título de exemplo apresentam-se dois horários, um para o 1.º Ciclo e o outro para o Ensino Secundário. 

2.png

 

 

1.png

 

Oiça o testemunho da professora bibliotecária, Jacqueline Almeida:

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Ensino remoto OU Ensino online?

Contexto, quadro conceptual e pistas de trabalho

Abril 07, 2020

biblio.png

 

Um pouco por todo o mundo, escolas e  instituições do ensino superior estão a tomar medidas para dar continuidade ao processo de ensino e de aprendizagem, agora na modalidade a distância ou, como defendem os especialistas, remota. 

O ensino remoto altera a forma como se chega aos alunos. Tendo em conta o contexto de pandemia, não se pretende recriar o ecossistema educacional, mas permitir o acesso temporário à "escola".

De facto, não podemos passar de forma linear do ensino presencial para o ensino online sem fazer grandes alterações, o que implicaria tempo, riscos e dificuldades que as instituições de ensino não têm.

O ensino online é um processo que implica um desenho institucional cuidadoso e um trabalho de preparação que pode levar entre 6 a 9 meses.

Para apoiar as escolas, no momento em que necessitam de delinear a sua estratégia de ensino remoto, deixamos algumas pistas orientadoras para a criação de planos de ação e uma proposta de estrutura de um plano de aula remota.

Ensino remoto OU Ensino a distância?

Clique para consultar a apresentação

 

Face ao momento que vivemos, a comunidade educativa deve avaliar o impacto das propostas implementadas a nível nacional. Esta avaliação, mais do que preocupar-se em dados estatísticos e de níveis de desempenho de escolas, professores e alunos, deve centrar-se no processo, para assim permitir uma mudança efetiva e tão necessária:

  • Que práticas foram implementadas e que mudanças provocaram?
  • Destas práticas quais se devem manter?
  • Como foi a a interação com os diferentes atores educativos? E qual o seu feedback?
  • A infraestrutura tecnológica foi suficiente?
  • As aprendizagens foram avaliadas? Como? Com que resultados?
  • ...

Daqui decorre que devemos repensar modelos pedagógicos compatíveis com um mundo que nos exige, a cada instante, capacidade de readaptação, pelo que agilidade, flexibilidade e resistência são características cada vez mais necessárias, não só aos alunos e aos professores, mas também ao próprio sistema educativo.

 

Bibliografia recomendada:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Quer ensinar online?

Mude a forma como pensa | Forbes

Abril 03, 2020

digital_divide-1.jpg

A Forbes publicou hoje um artigo interessante sobre a temática que domina a educação por estes dias, o ensino a distância.

Da autoria de Enrique Dans, o artigo intitula-se Want To Teach Online? Change The Way You Think About It, (consultar na íntegra aqui) e reflete sobre o paradoxo que foi criado com a necessidade de fechar as escolas. De facto, apesar de termos a tecnologia disponível para o ensino a distância não estamos preparados - professores, alunos e famílias - para este novo paradigma.

No artigo, apresentam-se os principais motivos pelos quais se torna difícil ensinar e aprender online, a menos que olhemos para esta realidade de forma diferente.

 

1. Literacia digital dos professores

O ensino online exige mais do que uma compreensão ligeira da tecnologia envolvida. De facto, um pequeno obstáculo que facilmente se resolve em contexto de sala de aula pode tornar-se um grande problema, quando temos 20 ou 30 alunos do outro lado do ecrã.

 

2. Envolvimento do professor

Apesar do conhecimento ser um fator importante para o sucesso do ensino a distância, o envolvimento do professor é fundamental. Uma aula online exige mais trabalho e atenção do que uma aula presencial, sobretudo se utilizarmos recursos como fóruns assíncronos ou grupos de mensagens instantâneas, que são recomendadas, mas que exigem mais tempo.

 

aluno.jpeg

3. Literacia digital dos alunos

É recorrente ouvirmos a expressão "nativos digitais", para caracterizar os nossos alunos. Contudo, apesar de dominarem o Instagram e o TikTok, muitas vezes não conseguem realizar tarefas simples como anexar um arquivo a um e-mail ou guardar um ficheiro com um nome diferente.

 

4. O fosso digital

Nem todas as famílias têm computador e/ ou smartphone e a ligação à Internet é, por vezes, muito lenta ou inexistente. Nalguns casos, o acesso à internet faz-se por dados móveis que nem sempre são suficientes para este tipo de ensino. É fundamental que os responsáveis tenham em conta esta realidade que pode ser fonte de desigualdades

 

5. Ferramentas digitais

Para uma aula online ideal, deverá utilizar ferramentas que permitam criar vídeos, partilhar o seu ecrã, fazer videoconferência. Os alunos também devem ter acesso a fóruns onde possam discutir tópicos.

 

6. Metodologia

Uma aula presencial nunca pode ser replicada online. Isto é, numa aula online não se pode ler um texto e esperar que os seus alunos se mantenham atentos. Opte por disponibilizar o texto com antecedência para que os alunos o leiam. Online aproveite o tempo para discutir o texto, responder a questões dos alunos, ou levá-los a fazerem apresentações sobre ele. E, sobretudo, utilize tecnologias interactivas.

 

7. Experiência do aluno

Para além dos conteúdos, os alunos devem aprender a gerir as interações online. Nesse sentido, os professores devem utilizar ferramentas que possam ser facilmente apropriadas pelos alunos e que correspondam às suas expetativas. O professor não deve estar constantemente a utilizar ferramentas novas, pois num ambiente que é novo para os alunos, eles precisam de estruturas e referências claras.

 

8. Avaliação

Diversifique as suas metodologias de avaliação: projetos individuais ou em grupo, avaliação por pares, apresentações online, etc.

 

professor.jpg

O autor, e concordamos com ele, afirma que o ensino online veio para ficar, pelo que é necessário criar as condições para que os alunos possam acompanhar as aulas em casa sem que o processo de aprendizagem sofra prejuízos.

O artigo termina em tom provocatório, que não é mais do que uma chamada de atenção para a necessidade de fazermos "muito mais e muito melhor":

Se pensa que ensinar online é simplesmente ligar a câmara e replicar o que faz em sala de aula, ou mostrar uma apresentação e um documento e, em seguida, dar aos alunos uma ficha de trabalho, está enganado. Não é assim que os nossos alunos aprendem.

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Exemplos relevantes de organização do horário escolar

O caso de uma província do Canadá

Abril 02, 2020

O jornal The Guardian (Canadá) acaba de publicar uma notícia que dá conta de um excelente exemplo de organização do horário escolar e do currículo para as próximas semanas.

Este artigo está em linha com o que o Biblio Tubers tem sugerido para as nossas escolas, nomeadamente no artigo Proposta de horário escolar online.

Aqui deixamos os aspetos mais importantes do artigo intitulado School’s out: P.E.I. students get ready to hit the books at home.

aluno.JPG

 

APRENDER EM CASA

Do pré-escolar ao 9.º ano, os alunos vão trabalhar as diferentes literacias. Esta é a prioridade das atividades que vão ser propostas pelos professores e que devem estar de acordo com o nível de ensino.

A duração das atividades escolares não devem exceder os 30 minutos diários para o Pré-escolar e os 90 minutos diários para o Ensino Secundário.

Os professores vão continuar a trabalhar com uma versão simplificada do currículo, pelo que foram identificadas as aprendizagens mais importantes. 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Twitter

Facebook